domingo, 21 de março de 2010

Servidores da saúde de SP convocam greve de 48 horas

Os trabalhadores da saúde do Estado de São Paulo anunciaram uma paralização de 48 horas na próxima segunda-feira (22). Durante a semana, devem ser realizados atos nos hospitais e unidades de saúde para avaliar uma possível greve por tempo indeterminado.

A decisão foi tomada em assembleia com a participação de 700 servidores, na quadra do Sindicato dos Bancários, na região da Sé. A principal reivindicação da categoria diz respeito ao projeto de lei que regulamentava o aumento da categoria deveria ter sido encaminhado à Assembleia Legislativa, porém permanece parado na Comissão de Política Salarial do governo.

Na prática, isso significa que o reajuste não será votado neste ano, segundo Helcio Aparecido, secretário-geral do SindSaúde. "O processo de negociação é monossilábico. O governo não mostra o orçamento, só fala que não há verba suficiente para o aumento. Somente o sindicato negocia e propõe", desabafa Aparecido.

Para o dia 31 de março está programado um protesto bem humorado chamado de "almoço de gala". A proposta é tentar pagar uma refeição com R$ 4, o valor que os servidores recebem de vale-refeição desde 2000.

Desde o dia 5 de março, os trabalhadores estão em estado de greve e reivindicam aumento salarial, reestruturação dos planos de carreira, aumento do vale-refeição para R$ 14. Eles ainda opõem-se à terceirização do setor, por meio da transferência da gestão de unidades para organizações sociais.

A Próxima assembleia será realizada no dia 31 de março em frente à Secretaria Estadual da Saúde, na região do Hospital das Clínicas (bairro Cerqueira César).

Nenhum comentário: