domingo, 20 de dezembro de 2009

PF encontrou dinheiro ''marcado'' na residência oficial de Arruda

Série numérica é a mesma de cédulas apreendidas em duas empresas acusadas de bancar 'mensalão do DEM'
A Polícia Federal encontrou nas dependências da Granja de Águas Claras, residência oficial do governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda (ex-DEM), dinheiro cuja série numérica é a mesma de um lote de cédulas apreendidas em duas empresas (Vertax e Adler) acusadas de bancar o esquema de corrupção que ficou conhecido como "mensalão do DEM". Em outro endereço, os investigadores descobriram com um ex-assessor de Arruda notas previamente marcadas com uma tinta invisível para identificar os destinatários da propina.

Em 11 de dezembro, quando foi deflagrada a Operação Caixa de Pandora, cédulas da série A3569 foram encontradas no gabinete de um assessor de Arruda, situado na residência oficial, e na sede das empresas Vertax e Adler, que mantêm contratos com o governo do Distrito Federal na área de informática e são apontadas como importantes fontes de abastecimento do esquema.

Na residência oficial, o dinheiro foi apreendido na sala de trabalho de Fábio Simão, então chefe de gabinete de Arruda. Homem de extrema confiança do governador, Simão foi demitido após a operação.

A informação consta de relatório encaminhado pela Polícia Federal ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), com o resultado das buscas realizadas no dia da operação. A descoberta reforça ainda mais as provas sobre os laços financeiros entre o grupo de Arruda e as empresas prestadoras de serviço. A suspeita é de que o dinheiro encontrado na residência oficial seja proveniente do caixa dessas empresas.

TINTA INVISÍVEL

O mesmo relatório da PF contém outros dados que atestam a ligação entre o círculo íntimo do governador e as empresas apontadas como fornecedoras de propina ao esquema. O documento revela que parte da verba recebida das empresas e distribuída pelo ex-secretário Durval Barbosa, que se transformou no pivô do escândalo ao gravar e denunciar as negociatas, foi encontrada na casa de Domingos Lamoglia, ex-assessor pessoal de Arruda nomeado por ele como conselheiro do Tribunal de Contas do Distrito Federal.

Novamente, nesse caso, é a Vertax que aparece como fonte do dinheiro. Segundo o relatório, as cédulas encontradas na residência de Lamoglia fazem parte de um lote de R$ 600 mil que Barbosa recebeu das empresas, a título de propina, para repassar a outros integrantes do governo.

Como Barbosa já estava colaborando com a investigação, as cédulas foram marcadas pela polícia com tinta invisível antes de serem passadas adiante. A estratégia dos investigadores era deixar que o dinheiro fosse distribuído aos integrantes do governo para, depois, na ação de busca e apreensão, identificar os destinatários da propina. Deu certo.

No caso do dinheiro apreendido na casa do conselheiro Lamoglia, as cédulas, de séries A2406, A2870, A2994 e A3027, integravam o pacote previamente marcado pelos investigadores. "A maior parte do dinheiro marcado veio exatamente da Vertax (R$ 100.000), e como já foram encontradas cédulas com a mesma numeração de série em ambos os lugares (Vertax/Lamoglia), fica evidenciada estreita ligação entre eles", diz trecho do relatório da PF.

A perícia nas cédulas apreendidas foi realizada pela Divisão de Contra Inteligência da PF. No dia seguinte à operação, num documento intitulado Relatório de Análise do Dinheiro Apreendido na Operação Caixa de Pandora, os investigadores já haviam mapeado as conexões entre os diferentes lotes de dinheiro. Os papéis foram remetidos ao STJ na última quarta-feira.

Lamoglia e Fábio Simão, o ocupante do escritório onde a polícia encontrou dinheiro na residência oficial, são figuras muito próximas do governador do DF. Além do cargo de chefe de gabinete, que ocupava até estourar o escândalo, Simão é vice-presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e um dos responsáveis pela preparação de Brasília para sediar a Copa do Mundo de 2014.

Nenhum comentário: