sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

Escândalo deve por fim ao governo Arruda

O Governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda (DEM,ex-PFL), inclui mais uma escandalosa corrupção em sua carreira política. A polícia Federal realizou durante todo dia 27 de novembro apreensões de documentos, dinheiro e computadores na residência oficial do governador, na administração de Brasília, na casa do secretário de educação, do chefe da casa civil, na casa do assessor de imprensa e em gabinetes de deputados distritais.

O nome da operação denominada "Caixa de Pandora" executa durante meses investigação no governo com escutas telefônicas, autorizadas pelo STJ, que flagraram Arruda negociando propina para os secretários e deputados distritais com cifras que variam de 60 mil a 400 mil, dentre outros crimes. O governo utilizava as empresas laranjas Linknet, Infoeducacional, Conbral, Adler e Vertax para lavar o dinheiro. A PF contou com o infiltrado Durval Barbosa, Secretário de Relações Institucionais do GDF, que fez acordo de delação premiada para reduzir pena na participação de desvios de verba no governo Joaquim Roriz, igual picareta que governou o DF por três mandatos. Arruda já admitiu a culpa e exonerou Luiz Valente, secretário de educação, José Geraldo Maciel, chefe de gabinete, Omézio Pontes, assessor de imprensa e claro, Durval Barbosa.

Político antigo do DF, iniciou sua carreira como aliado de Joaquim Roriz e já fugiu uma vez de cassação, renunciando, quando fraudou o painel do senado em escândalo que envolveu ACM e Luiz Estevão. O Governo Arruda e Paulo Octávio (DEM), empreiteiro e vice-governador, executam um governo autoritário com excesso de publicidade camuflado com o discurso falso de ordem e sustentabilidade. Governam somente para os empresários, o que pode-se evidenciar na sua insistência na implantação do bairro Setor Noroeste, na política de transporte, descaso com os professores, racismo com indígenas e na destruição de centenas de moradias que não são de seu reduto eleitoral, entre outras ações condenáveis.

As denúncias atingem ao Governador, vice-Governador, Presidente da Câmara Legislativa, Leonardo Prudente (DEM), e vários níveis da estrutura de poder do DF. Em caso de cassação ou impeachment abre-se um precedente de eleições fora de época ou um ano de governo provisório pelo presidente do Tribunal de Justiça. Avessa a tudo isso, a sociedade civil, não só do DF, começa a se movimentar para que realize-se a justiça.

A sociedade civil, não só do DF, exige a cassação e/ou impeachment de Arruda e Paulo Octávio!

Nenhum comentário: